Tamanho da Letra

Cuidado com as intolerâncias

O crescimento de intolerâncias nos mais diversos âmbitos da vida causa perplexidade ao desafiar os limites da civilidade. Esse fenômeno tem levado pessoas a fazerem “justiça com as próprias mãos”. Assim, cresce a violência – atos de barbárie nas ruas, nos lares e em tantos outros ambientes. Medo e pânico: a qualquer momento, tudo pode acontecer. Por mais aparelhada, a segurança pública parece não ser suficiente para manter a civilidade e a paz. Os investimentos na educação é que são urgentes para mitigar a violência gerada pelo crescimento de desigualdades e dinâmicas irracionais.

Nesse sentido, o conjunto de fatores que produzem intolerâncias merece análises e reflexões, com a ajuda de especialistas nas diferentes áreas do saber. É preciso encontrar a solução para a escalada da intolerância, mal que faz crescer a loucura da desconfiança – todo mundo se arma contra tudo e todos.

É difícil reconhecer, mas a intolerância costuma residir até mesmo no ato simples de, cegamente, fixar-se na defesa e convicção das próprias compreensões, desconsiderando perspectivas divergentes. Essa postura aprisiona o ser humano na rigidez e o incapacita para a participação em diálogos construtivos. Situação preocupante por comprometer o alcance de entendimentos, a competência para preservar a paz, o bem comum e o que, de fato, possa garantir a promoção e o desenvolvimento integral em benefício de todos.

A irracionalidade da rigidez contamina representantes do povo que, na tarefa de zelar pelo bem comum, apropriam-se do patrimônio coletivo em benefício próprio. Revela-se também nas pessoas que buscam apenas o usufruto egoísta de benesses. Manifesta-se ainda naqueles que, no exercício das próprias responsabilidades, limitam-se a fazer o mínimo necessário, um jeito simplório de vivenciar a cidadania. Percebe-se, assim, que a irracionalidade da rigidez é verdadeira prisão. Nesse sentido, é possível afirmar que a intolerância brota da incompetência para exercer o dom da liberdade.

A vivência da liberdade garante a cada pessoa a oportunidade de participar de diferentes processos importantes da vida social. Mas, para isso, exige do cidadão a capacidade para a leitura generosa e solidária das relações humanas, do inegociável respeito à liberdade dos outros. Essa competência inclui o sentido de respeito a outras pessoas, aos valores, à história e às instituições.

Na raiz das intolerâncias está a pobreza humanística que compromete a cidadania e o dom da liberdade. Um grave problema causado pelo desrespeito – fonte de loucuras que precipitam o conjunto da sociedade na delinquência, nas irracionalidades. Nessa perigosa direção, cada um se elege, tranquilamente, como sendo parâmetro das definições, das escolhas e das opções. O resultado é um quadro insano onde ninguém abre mão da própria opinião. A estreiteza de horizontes instala na sociedade um “bate cabeça”, desvinculando-a do compromisso de ser ambiente da cidadania solidária. Em vez disso, instala-se um cenário infernal de intolerâncias.

Para alcançar a paz social, cada cidadão precisa contribuir significativamente no desenvolvimento e manutenção da cultura do encontro, que pressupõe a convivência harmoniosa entre pessoas diferentes. O passo primeiro é cada um estar aberto ao diálogo, para a construção de entendimentos livres de preconceitos. Eis o caminho mais acertado para combater as muitas formas de intolerância e promover o respeito aos direitos e à dignidade de cada pessoa.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Fonte: JO Arquidiocese de Belo Horizonte

Para refletir

A Igreja no Brasil proclamou a celebração do Ano do Laicato. O que é ser leigo na Igreja? Na sociedade? Como podemos nos envolver mais e ajudar o mundo a ser melhor?

Você Sabia

Leigo significa “do povo”. Os leigos são todos cristãos que, pelo batismo, estão incorporados em Cristo e, não pertencendo ao clero (bispos, sacerdotes, diáconos), participam na missão da Igreja no mundo.