Tamanho da Letra

Ternura

A palavra já diz tudo. Ternura. Mal você acaba de pronunciá-la e seus lábios já estão tremelicando de emoção.

O pai, a mãe, com o filho recém-nascido nos braços, só pode expressar seu sentimento numa palavra: ternura. Ternura é o amor emocionado.

Desde menino meu coração se via enternecido diante de pessoas e cenas que revelavam fragilidade e abandono. É assim, até hoje.

Caetano traduziu isso quando cantou:

“Ah, esse cara tem me seduzido.

A mim e a tudo que eu quis.

Com seus olhinhos infantis,

Como os olhos de um bandido…”

Bandidos, hoje, frequentemente tem olhos de feras acuadas, mas ainda assim são capazes de enternecer meu coração. Não seus atos, mas seu fracasso humano vital. Eu os amo pelo que perderam.

Nascemos para a felicidade. E o que a vida já nos ensinou sobre ela? Quer saber? Olhe sua vida. Quais foram os momentos mais felizes que você já viveu?

Nem posso imaginar o que virá à tona nas suas lembranças, mas de uma coisa tenho quase certeza. Nos momentos e experiências que virão à sua memória, dificilmente você estava sozinho.

Os nossos momentos mais felizes foram experiências de amar e ser amado. Das muitas formas que o amor tem para entrar em nossa vida. Ele, o amor, é nosso berço, vocação e destino.

Pessoas que renegam a opção do amor rompem com seu equilíbrio vital. Falta de amor, não há terapia ou medicamento que cure.

Outro dia, minha prima Alice, me perguntou num post: “se você pudesse deixar apenas um ensinamento para seus filhos, qual seria”? Respondi, de imediato: “na dúvida, escolha o amor. Na certeza, também”!

Bandidos são banidos da possibilidade de serem amados. Não há solidão maior.

Na infância, nos fundos da minha casa começava a favela da Pedreira Prado Lopes, uma das maiores de BH. Do lado de lá daquele muro viviam e brincavam meninos como eu. Ou quase.

Éramos os mesmos no desejo da alegria, mas a vida não nos tratava com a mesma generosidade. Eu ficava intrigado. Era uma questão de poucos metros. Se tivesse nascido do outro lado daquele muro, quem seria eu? Com certeza, um menino querendo ser feliz, querendo amar e ser amado. Daí a minha ternura por todos eles.

Por trás do rosto de fera de todo bandido há olhos infantis pedindo socorro. Algo ou alguém que lhes resgate a humanidade perdida, o amor rejeitado, a ternura possível.

Jesus tinha uma ternura toda especial pelos bandidos e banidos do seu tempo…

 

Eduardo Machado

22/05/2017

 

 

 

 

 

Para refletir

E tu, ó Caridade, ó virgem do Senhor,
No amoroso seio as crianças tomaste,
E entre beijos – só teus — o pranto lhes secaste
Dando-lhes leito e pão, guarida e amor.

Machado de Assis, in ‘Crisálidas’

Você Sabia

Em setembro celebramos a Paróquia (não o santo padroeiro, celebrado em sua própria comunidade). A festa da paróquia tornou-se um modo de todas as 11 comunidades tomarem consciência de formar uma unidade dentro da igreja local.